19 de fev de 2019

Maria Cecília e Rodolfo abrem a casa onde moram para gravar o 5º DVD da carreira


Foto: Fabio Nunes

Eles formam uma das duplas mais queridas do Brasil e, claro, o único casal do sertanejo. Despontaram para o mercado em 2009 trazendo no repertório letras atuais e apresentando uma nova batida às canções. Essa mistura deu início ao movimento chamado ‘sertanejo universitário’.

Maria Cecília e Rodolfo possuem milhões de visualizações na internet, venderam milhares de cópias e colecionam inúmeros hits. Sem dúvidas, conquistaram algo que jamais puderam imaginar: um público fiel, apaixonado pelas músicas e principalmente pela trajetória escrita pelos cantores de Mato Grosso do Sul.

 Agora, eles gravam um novo DVD, o quinto da carreira, intitulado ‘De Portas Abertas’. O projeto será filmado na casa onde moram, no interior de São Paulo, bem no estilo intimista. “Literalmente estamos abrindo as portas da nossa casa, das nossas vidas para o público, nossos fãs, para todo o Brasil. Uma forma de agradecimento pelos anos de carinho e respeito conosco”, diz Maria Cecília.

O repertório escolhido a dedo traz canções inéditas e encontros de tirar o fôlego. Felipe Araújo, Henrique e Diego, Gustavo Mioto, Marcos e Belutti, Fred Liel, Thaeme e Thiago e Rayane e Rafaela. “Foi uma das partes mais difíceis pra nós. Todos, sem exceção, têm a nossa admiração. De alguns, somos amigos há anos. Outros, passamos a nos aproximar pela vida profissional. Mas, cada um deles, de uma forma ou de outra, se fez importante nas nossas histórias e é por esta razão que estarão conosco em mais esse DVD”, explica Rodolfo.

Das canções que irão gravar, Maria Cecília e Rodolfo mostraram apenas ‘Quase Amor’. Para isso, gravaram um vídeo publicado pelo IGVT (plataforma de vídeos do Instagram). A resposta dos fãs foi imediata. “Ficamos imensamente felizes com o resultado. Já são quase 500 mil visualizações em bem poucos dias”, conta Maria Cecília.

O registro completo deve chegar ao mercado em abril de 2019. “Iniciamos o ano cheio de novidades: vem aí uma nova turnê e, agora, um novo DVD. E isso é só o começo. Ainda vem muita coisa boa por aí”, encerra Rodolfo.


6 de fev de 2019

Alex Flemming apresenta exposição inédita na Galeria Emmathomas


O artista reflete sobre o atual cenário político utilizando metáfora bíblica


A Galeria Emmathomas receberá a partir de 14 de fevereiro a exposição "ALEX FLEMMING", com sua mais nova série de trabalhos criada conceitualmente em Berlim em 2018. As 28 peças apresentadas foram trabalhadas pelo artista em programa de residência na Fundação Marcos Amaro em Itú. O artista, que chama sua nova série de 'Ecce Homo', utilizou pias de banheiro das décadas de 70 e 80 nas quais esculpiu, com ponta de diamante, desenhos de mãos.
As pias são mostradas de maneira não convencional: são postas em pé como um objeto que remete à forma dos altares domésticos do barroco brasileiro. Ao todo são 28 pias de formatos e cores diferentes, que farão uma metáfora sobre como as pessoas se comportam no atual cenário político, lavando as mãos para as grandes responsabilidades que o país enfrenta.
Alex Flemming utilizou a passagem bíblica sobre a crucificação de Jesus Cristo como base de sua crítica. Ecce Homo são as palavras que Pôncio Pilatos teria dito ao apresentar Jesus perante a multidão e ordenar que eles escolhessem o destino do filho de Deus. Após o povo optar pela crucificação de Jesus Cristo, Pôncio Pilatos lavou as mãos diante de todos, e disse: “estou inocente do sangue deste justo. Considerai isso”. Disso nasceu o ditado ‘lavo as minhas mãos’.
Apropriando-se de um objeto utilizado literalmente por todos os brasileiros, Alex Flemming nos traz a questão da responsabilidade que atinge a todos nós, independente de gênero, classe social ou religião. Flemming se utiliza da História da Arte ao lembrar Marcel Duchamp com seu ready-made, mas dá um passo em outra direção ao se apropriar da pia e modificá-la com um desenho esculpido.
De acordo com sua trajetória, quando sempre se revelou um apaixonado colorista, o artista se utiliza de pias fabricadas no Brasil nas décadas de 70 e 80 quando foram produzidas cores chamadas de rosa-bebê, azul-calcinha, verde-esmeralda ou roxo-beterraba. Flemming mostra o Brasil tanto diretamente através de seu passado recente, como conceitualmente ao nos provocar com a metáfora desse dito popular (Lavar as mãos), promovendo uma discussão sociológica através desses objetos.
O Artista Alex Flemming afirma: “...a minha obra sempre teve um carácter político. Já denunciei a tortura durante a ditadura militar nos anos 70, a morte da natureza e os conflitos ecológicos nos anos 90, quando também discursei sobre os conflitos ao redor do mundo com a série Body-Buiders. Em 2002 criei a série Flying Carpets sobre os atentados de 11 de setembro e em 2016 a série Anaconda, uma reflexão plástica sobre os horrores da ditadura do Estado Islâmico se escondendo sobre a linda tradição cultural do Oriente. A série Ecce Homo propõe uma reflexão plástica do fato de lavarmos nossas mãos em questões nacionais importantes, deixando-as para serem decididas por políticos e outros poderosos, invertendo assim a relação bíblica”. O artista também faz questão de deixar claro que, em seu entender, toda obra de arte deve ser bela, sedutora, intrigante, arrebatadora.
 A mostra, com curadoria de Ricardo Resende e catálogo com cerca de 50 páginas, acontecerá na Galeria Emma Thomas no dia 14 de fevereiro e ficará em cartaz até 22 de março de 2019.

SERVIÇO

EXPOSIÇÃO: ALEX FLEMMING – Série Ecce Homo
Curadoria: Ricardo Resende
Local: Galeria Emmathomas
Endereço: Alameda Franca, 1054 – Jardim Paulista (São Paulo)
Temporada:14 de fevereiro até 21 de março

Funcionamento: Seg-Sex 11h-19h
Sáb 11h-15h

Entrada gratuita

Pátio SP estreia “A Noite do Sambalanço” com João Sabiá e Pedro Camargo Mariano

São vários convidados ao longo do mês e o primeiro a dividir o palco com João Sabiá será com Pedro Mariano, filho de Elis Regina
Nesta terça-feira, dia 5 de fevereiro, estreia “A Noite do Sambalanço” comandado pelo cantor e compositor carioca João Sabiá, no Pátio SP – bar de música brasileira localizado na boêmia Vila Madalena – que acontecerá nas três primeiras terças de fevereiro.
Conhecido por seu som dançante e suingado, Sabiá traz para o universo do Sambalanço clássicos que fizeram a sua formação musical num repertório que passeia por músicas de Tom Jobim, João Gilberto, Gilberto Gil, Caetano Veloso, João Bosco, Martinho da Vila, João Nogueira, Tim Maia, Roberto Carlos, Rita Lee, entre outros.
Além de apresentar seu repertório autoral bastante conhecido dos amantes da gafieira, o cantor – nascido e criado em Copacabana, Rio de Janeiro – receberá a cada terça, convidados especiais.
Em clima descontraído de “sala de casa”, que alterna bom papo e som, Sabiá, no dia 05, dividirá o palco com Pedro Mariano, filho da cantora Elis Regina e do músico Cesar Camargo Mariano. Em suas produções, Mariano investe em uma sonoridade contemporânea, mas com formação instrumental. O resultado faz do seu trabalho uma peça atemporal, pop e clássica, sem nada sazonal ou segmentado. Um artista respeitado pela mídia e admirado por seus companheiros de trabalho, emprestou seu talento e voz a projetos como CD de Lulu Santos, Jair Rodriguez, João Bosco, Roupa Nova, Luciana Mello, entre outros e projetos de DVD como “Barzinho e Violão”, “Casa da Bossa”, “Elis por Eles”.
Os ingressos são vendidos com antecedência pelo www.sympla.com.br no valor de R$ 40. Estudantes pagam meia entrada.
Pátio SP       
A esquina das ruas Mourato Coelho com a Wisard já virou point na boêmia Vila Madalena. Sextas, sábados e domingos, animados, marcam o ponto privilegiado do bairro, que atrai a frequência de moradores de outros lugares da cidade. Pelas grandes portas envidraçadas que separam a calçada do bar, é possível ver a galera entusiasmada que procura o local para curtir as atrações musicais, os bons drinks e petiscos servidos na casa.
Para Christian Caballero e Victor Gambardella, sócios da casa, o Pátio SP conseguiu conquistar o público que gosta de frequentar um ambiente bonito, que tem jardim vertical, grafite na parede, teto retrátil e mobiliário feito de pallets reciclados; com boa comida e bebida e música ao vivo eclética e de qualidade. “O bar é a cara de São Paulo, que prima pelo atendimento e onde o paulistano se sente em casa e o turista vai conseguir entender um pouco da cidade”, diz Caballero.
No cardápio há o resgate de itens como sandubinha de carne-louca, pavê de chocolate e pudim de leite, que faz lembrar comida de vó e das boas festas de família. Ao mesmo tempo, serve petiscos que não podem faltar na mesa de um bom bar, como espeto de carne com farofa e vinagrete, croquete de costela, dadinhos de tapioca e calabresa acebolada.
Na parte de coquetelaria, a ideia é oferecer bebidas e drinques que passeiam entre os clássicos, autorais e especialidades do Pátio SP. Uma seleção inspirada em pontos turísticos da cidade, como Mourato Coelho e Pátio do Colégio, por exemplo, e em brasilidades, como a rapadura e a caipirinha, fazem sucesso.









Pátio SP Bar
Rua Mourato Coelho, 1.272, Vila Madalena, São Paulo
Tel.: (11) 2386-0908
Instagram: @patiospbar
Horário de funcionamento: segunda à sexta das 11h30 às 15h e das 17h às 00h; sábado das 12h à 1h e domingo das 12h às 23h.
Cartão de crédito: Visa, Mastercard, Amex
Cartão de débito: Visa, Mastercard e Amex
Tickets eletrônicos: Não
Aceita cheque: Não
Valet: sim – R$ 25
Capacidade: 285 pessoas
Som ambiente: Sim
Música ao vivo: de terça a domingo
Aceita reserva: Sim
Wi-fi: Sim
Mesas ao ar livre: teto retrátil
Acesso para deficientes: sim

Atividade para crianças: não